terça-feira, Novembro 18, 2014

Santo Karma:

Haja sorte, ou neste caso, azar. Já não se pode andar a explorar no instagram que, no meio de dezenas e dezenas de fotos de pessoas que não sigo mas que me são sugeridas aleatoriamente, abro logo uma de uma das últimas pessoas de quem não quero ter notícias. Claro que depois vê-se o que não se queria ver, os ímpetos começam a rasgar e a subir pelo peito, quase a queimar a garganta. Eu não sou lorpa, e muito menos acredito em coincidências, mas aceitei fingir que não via e que não ouvia o que (ainda) chega a mim por terceiros - é o mais sensato e saudável. Há sorte(s) e azar(es). Os meus já estão a mudar. Vamos ter só mais um bocadinho de paciência e fê. Afinal, as coisas boas aparecem sempre a quem espera, e o karma, não falha.

Don't need to be alone:

Give someone the Christmas
they've been dreaming of.

quarta-feira, Novembro 05, 2014

Das almas gémeas:

Eu nunca acreditei em almas gémeas. Não, esperem. A verdade é que eu nunca pensei muito sobre isso.
A ideia de existirem almas gémeas, ou seja, existir uma pessoa com a qual se cruzam todas as partículas da nossa essência, sempre me pareceu uma fantasia bastante improvável. Depois conheci o D.
Eu já conhecia o D. Amigos de amigos da faculdade. Um olá aqui, outro ali, e pronto. Mas só há um ano para cá é que comecei a conhecer, no verdadeiro sentido da palavra, o D.
Descobri, e continuo a descobrir, até nas coisas mais básicas e corriqueiras do dia-a-dia que somos iguais. Mas não é só. Partilhamos esta igualdade também pela agilidade e força que ambos temos (e tivemos) para contornar as condicionantes que estar vivo implica, mas também por partilharmos, infelizmente, uma das maiores fatalidades da vida.
Mas, não fosse tudo isto suficiente, é sobretudo pela maneira de ser que eu me identifico com o D. Indignamos-nos da mesma forma, somos entusiastas pelo que gostamos, temos um brilhozinho nos olhos quando realmente gostamos de alguma coisa ou de alguém, e somos verdadeiros patetas e lorpas no que toca aos amores (de tal que forma que é o que se vê).
Se existem almas gémeas, assunto sobre o qual até agora eu não dediquei muita atenção, acho que o D. é quem se aproxima mais dessa realidade. É quase como se fosse uma ligação karmica, independente da própria vontade, como se a minha alma, ou a dele (depende da perspectiva) fosse uma refração da outra.
O coração e a alma são diferentes, e independentemente do futuro e do que vier com ele, o D. vai ser, até há data, a minha alma gémea (se tal existe).

sexta-feira, Outubro 17, 2014

E o prémio Leya 2014:

Foi atribuído ao Afonso!
Parabéns a ele!
 Os que cresceram com ele reconhecem-lhe o talento e o génio.

quarta-feira, Outubro 15, 2014

segunda-feira, Outubro 13, 2014

Parabéns:

Ao Zé. Ao meu melhor amigo.
Ele que é a minha alma gémea, o meu porto de abrigo. A  família que escolhi. A única pessoa que nunca me desiludiu. E por isso (e muito mais) é o homem da minha vida.