segunda-feira, agosto 22, 2011

Dar voz às palavras:

Se antes as palavras jorravam agora é precisamente o contrário.
Desenganem-se, se acham que com isto quero dizer que não tenho palavras para escrever, pelo contrário, já me faltaram várias coisas, mas as palavras nunca.
Culpa dos meus pais. Já não lhes bastava eu falar pelos cotovelos, ainda me punham, antes de começarem as aulas, a escrever naqueles cadernos ridículos de duas linhas.
O meu problema está aqui: na escrita e na oralidade. Para mim as palavras realizam-se enquanto se falam.
A escrita é puramente uma forma de eternizar e gravar o que as palavras ditas através da boca um dia se esquecem de dizer. É por isso que eu faço tanta questão de escrever a quem gosto e a quem amo, e é por isso que guardo, com tanto cuidado, todas as cartas de amor e amizade que recebi até hoje, mais que qualquer outra coisa.
Se eu pudesse, deixava-vos todos os meus posts, todas estas palavras em voz, mas não dá, não consigo.
Acho que a única beleza deste impedimento é unicamente a particularidade de vocês poderem fantasiar sobre o timbre da minha voz, e assim, de quem sou.

4 comentários:

  1. A mim é um bocado dificil acontecer querida :s
    Gostei muito :)

    ResponderEliminar
  2. Quem já te conhece sabe como é a tua voz ritinha :)

    ResponderEliminar